Filhos Dourados do Soul

by Madame Rrose Sélavy

/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

      name your price

     

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
02:54
10.
11.
12.
02:38
13.
14.

about

O oitavo álbum da banda Madame Rrose Sélavy (décimo primeiro com os bootlegs) é um estilete que abre um corte na trajetória da banda. A poesia, a crítica social, a imaginação e a realidade se misturam e os beats são acentuados pelas texturas das guitarras, dos vocais e dos sintetizadores. As letras, ao mesmo tempo irônicas e líricas, ora são amargas, ora cheias de esperança, buscam retratar as sutilezas, os afetos e a crueldade do cotidiano. Em meio a real distopia em que vivemos, a banda apresenta um álbum que é uma celebração do fantástico e do onírico com a acidez que o momento instiga e um bocado de emotiva sensualidade, pois tudo que não se inventa é mentira. Somos todos filhos dourados do soul!

Gravado, mixado e masterizado no estúdio caseiro do Colégio Invisível.

Madame Rrose Sélavy's eighth album (eleventh with the bootlegs) is a knife that opens a cut in the trajectory of the band. Poetry, social criticism, imagination and reality blend together and beats are accentuated by the textures of guitars, vocals and synthesizers. The lyrics, both ironic and lyrical, are bitter, but also full of hope, seeking to portray the subtleties, affections and cruelty of daily life. Amidst the real dystopia in which we live, the band presents an album that is a celebration of the fantastic and dreamlike with the acidity that the moment instigates and a lot of emotional sensuality, because everything that is not invented is a lie. We are all golden sons of soul!

Recorded, mixed and mastered in the home studio of Colégio Invisível.

credits

released April 1, 2017

Alex Pix (guitarra)
Ana Mo (vocal)
Lacerda Jr. (guitarra e synth)
Marcos Batista (baixo)
Raul Lanari (bateria)
TucA (vocal)

Todas as canções foram compostas por Lacerda Jr & TucA.
Produção Musical de Alex Pix, Lacerda Jr & TucA.

tags

license

about

Madame Rrose Sélavy Belo Horizonte, Brazil

Electro Frevo Bossa Punk

contact / help

Contact Madame Rrose Sélavy

Streaming and
Download help

Track Name: Um Cisco No Olho Do Gigante
Nós perdemos o controle,
Estamos bem perto do perigo,
Ir atrás de um lugar para desejar,
Mil palavras não servem para nada,
Todas as regras serão arremessadas,
Sem fingir uma vida que não temos,
Todos terão seus navios na garrafa.

Só um cisco no olho do gigante...
Track Name: A Poesia E O Fim Do Dinheiro
Você perdeu sua língua,
Eu lati como um cachorro,
Você roubou minha sepultura,
Isso deu calo na coluna,
Você só dorme o dia todo,
Eu nunca tive um transtorno,
Você quebrou no mercado,
Quase morri de colapso.

Não vou beber do seu veneno,
Não vou manter o seu segredo.
Track Name: Tentou Morrer Com Facas E Estiletes
Brincar de novo rumo ao mesmo ponto,
Você não pode esconder seu rosto,
Anda feito pato, fede como rato,
Você não sabe mascarar o fato,
Sempre escapa atrás de um boato,
Você merece um bico de sapato,
Um personagem do mais caricato,
Você não vale nem um carrapato.
Track Name: Pensava Que Era Um Surrealista
Quando você beija, eu fico exposto,
Quando você ri, eu gozo, escandaloso,
Quando você briga, eu me desmonto,
Quando você cai, eu durmo tonto,
Quando você cansa, fico sem sono,
Quando você vai, eu também morro.
Track Name: Não Desperto Mais Meus Monstros
Nada agora é mais segredo
Porque estou com tanto medo
Sempre repito os mesmos erros
Me enganar por um momento
Porque não lembro o que penso
Porque não sei quando me perco...

Nada agora faz sentido,
Nunca sacio o meu vício,
Ninguém suporta o meu ritmo,
Sinto que o ódio está contido,
Não tenho espaço que preciso
Isto está me deprimindo...

Não desejo ser um morto
Não me sinto mais tão louco
Não escondo o meu rosto
Não desperto mais meus monstros...
Track Name: Sexo Gastronômico
Sou o sabor da sua língua,
O seu beijo é como o vinho,
Sou o lençol da sua cama,
O seu corpo é meu delírio,
Sou a fogueira da sua alma,
O seu gozo é meu carinho.
Track Name: Quando O Mundo Acabar
Cada coisa em seu lugar,
Não preciso perguntar,
Não tenho o que sonhar,
Não consigo me lembrar,
Sem ter o que pensar,
Quando vou recomeçar,
Não sei me libertar,
Nem sei como mudar,
O que posso dizer quando o dia terminar,
O que eu posso ver quando a luz se apagar,
O que posso fazer quando ninguém enxergar,
O que eu posso ser quando o mundo acabar...
Track Name: Nunca Pintei Sonhos
Você diz que acredita,
Mas não quer saber de mim,
Cada um com seu disfarce,
Quando o veneno respinga,
Você me chama de louco,
Mas não muda a sintonia,
As palavras não são claras,
O que eu sinto é maresia,
Tudo acontece rápido,
O que eu penso é ventania,
Minha vida é um maremoto,
Sua sina é fantasia.
Track Name: Ninguém
Você não tem um lugar para onde ir,
Nunca te deram uma chance para fugir,
Você inventa um monte de problemas,
Não enlouqueça com a desgraça da cabeça...

Ninguém inferniza onde você barbariza,
Ninguém responde onde você se esconde,
Ninguém critica quando você perde a linha,
Ninguém esquece quando você enlouquece...

Não há ninguém para enxugar a sua lágrima,
Não há ninguém para açucarar a sua tara...
Track Name: Dadá Não Significa Nada
Todo mundo tem alguém pra amar,
Todo mundo tem que ter seu lugar,
As vezes acho que eu vou me afogar,
Mas pra quem sonha é preciso (voar) (gritar),

Sem mentir do medo de se atolar,
Sem fugir do medo de mergulhar...

Nunca faça pontaria onde o sonho não alcança...
Track Name: A Mente Como Os Entorpecentes
Quebrei minha cabeça no tijolo,
Perdi os meus dentes de novo,
Despedacei meu próprio corpo,
Joguei vinho no meu rosto,
Eu vi sangue jorrado do olho,
Eu encontrei ouro de tolo,
Ele pode ser louco,
Mas só conheço esse sonho.
Track Name: Mundo Livre
Acabei de alcançar o mar,
Esse é o lugar pra se adequar,
É bom seu ar só pra relaxar,
Vou caminhar, depois nadar,
Pegar o barco e mergulhar,
Minhas feridas vão cicatrizar,
Não tenho medo, basta sonhar,
Tem arte em quase todo lugar.
Track Name: Primitivismo Barulhento
Sono moribundo,
De salto no muro,
Língua de molusco,
Ciência de burro,
Abismo imundo,
Um grito no escuro,
Mergulho de brusco,
Uma luz no fim do túnel.

Amante de açougueiro,
Qualé o seu cheiro?
Nariz no formigueiro,
Qualé o veneno?
Mão de pistoleiro,
Um tiro certeiro,
Adeus ao pardieiro,
Nunca mais vi fogueteiro.
Track Name: Homem Em Tempo Sombrio
Nunca espero de ninguém além de mim,
Não procuro competir com ninguém,
Nunca faço o que querem de mim,
Não escuto de ninguém qualquer blues,

Não tenho nada a dizer.